domingo, 16 de março de 2014

Conto: Assassina de Aluguel - Parte 3

Não leu ainda as duas primeiras partes? Clique AQUI para ler a primeira e AQUI para ler a segunda.

Nadira pulou nas costas da loira com as suas unhas entrando na garganta dela. Tinha a pego de surpresa.

Jasmine grunhiu, não por causa da dor, mas por raiva. Agarrou os braços da mulher e jogou a por cima de seu corpo, fazendo-a cair de costas no chão.

__Vampira... – a palavra saiu inconscientemente dos lábios vermelhos de Jasmine.

Ela não sabia que teria que “matar” uma vampira hoje. Não que considerasse isso um problema, ao contrario, era excitante.

Jasmine agarrou Nadira pelo pescoço e a levantou, suas unhas grandes a afiadas a cortavam.

__Sabe, eu sempre me fiz essa pergunta: para onde os vampiros vão quando acabam?

__Não se preocupe com isso... Você irá descobrir hoje.

Nadira respondeu enquanto colocava uma das mãos por dentro de sua jaqueta e tirava uma arma, apontou para Jasmine em uma velocidade incrível e deu dois tiros.

A loira soltou um grunhido e cambaleou para trás, encontrando com a parede.

__MALDITA!!! – gritou em plenos pulmões.

Os ferimentos ardiam e seus olhos voltaram a serem azuis. Era como se tivesse levando várias pancadas na cabeça, deixando-a atordoada. Sangue negro escorria pelos dois buracos abertos, que iam se curando rapidamente.

Nadira aproveitou o momento que Jasmine estava vulnerável, apontou a arma novamente e disparou. Um tiro, e a única coisa que acertou foi à parede. A loira tinha conseguido desviar e desapareceu de seu campo de visão.

A morena sorriu. Ele disse que iria ser difícil.

__Quer brincar de esconde-esconde agora? – perguntou Nadira.

__Só se você quiser se esconder.

Jasmine agarrou Nadira pelas costas e cravou seus dentes em sua jugular e arrancou um pedaço da carne. A morena gritou, seus olhos flamejavam. Nadira inutilmente tentou atirar mais uma vez contra Jasmine, mas outra vez a loira foi mais ágil desviou da bala e quebrou o braço da morena que deixou a arma cair.

Nadira gritava de dor enquanto Jasmine a arremessou contra a parede, fazendo a velha casa estremecer.  

Jasmine sorriu de verdade, pela primeira vez em séculos.

Nadira caiu sentindo sangue escorrer de sua garganta, seu braço latejava, mas uma dor suportável. Já estava cansada de brincar, iria dar um fim nisso. Tirou uma faca da bota e escondeu nas costas. Ela nunca saia para matar com as mãos vazias. Um erro que Jasmine cometeu e iria pagar caro por isso.

A loira veio em sua direção, rápida. Ódio transpirava de cada poro do seu corpo. Agarrou Nadira pelos cabelos levantando-a, no mesmo momento em que a morena tirava a faca das costas e cravava no coração de Jasmine.

Um comentário: