quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Dicas: Como prender os leitores em sua história

Olá pessoas! 

Estou um pouco sumida aqui do blog, mas saibam que é por um bom motivo. Estou revisando a continuação da A Saga de Datahriun e portanto meu tempo está escasso. Diz a lenda que eu irei ganhar um vira-tempo, então, quem sabe as coisas não fiquem mais fáceis! Rs.

Mas chega de enrolação e vamos ao que interessa, essa é o primeiro post do blog em 2015 e espero que ajude quem está escrevendo o seu primeiro livro:
O primeiro capítulo, a primeira página e o primeiro paragrafo são essenciais para a sua história, porque são eles que irão decidir se o leitor irá continuar a ler o seu livro ou não. Se o leitor estiver de bom humor e com tempo, talvez ele leia o primeiro capítulo inteiro, mas normalmente ele irá ler somente a primeira página e muitas vezes somente o primeiro parágrafo.  Se ele não gostar, ele não irá comprar o seu livro.

Eu li uma entrevista com Steven King, onde ele falava sobre a importância do primeiro paragrafo dos seus livros, e que às vezes ele demorava mais escrevendo esse paragrafo do que o próprio livro. Então, depois de ler essa entrevista eu refiz o primeiro paragrafo da minha história e espero que eu tenha acertado, rs.

É necessário que você instigue o leitor nessas linhas, deixe-o curioso para saber o que virá a seguir. Faça o uso da provocação, do mistério, de alguma revelação ou um conflito, caracterize o seu protagonista de uma forma interessante.

Como exemplo no livro do Neil Gaiman “Deuses Americanos” ele começa caracterizando o seu personagem:

“Shadow havia cumprido três anos de prisão. Era bem grande e tinha uma cara de “não se meta comigo”, por isso seu maior problema era como fazer o tempo passar. Assim, mantinha o corpo em forma, treinava alguns truques com moedas e pensava no quanto amava a sua mulher.”

Outro exemplo, com um ar de mistério, é o primeiro paragrafo do livro “O Chamado do Cuco” de Robert Galbraith:

“O rumor na rua parecia um zumbido de moscas. Fotógrafos se agrupavam em massa atrás de barreiras patrulhadas pela polícia, suas câmeras de focinhos longos aprumadas, o hálito elevando-se como vapor. A neve caía sem parar nos chapéus e nos ombros; dedos enluvados limpavam lentes. Ocasionalmente irrompiam surtos de cliques erráticos, conforme os espectadores preenchiam o tempo de espera batendo instantâneos da tenda de lona branca no meio da rua, da entrada do alto edifício de tijolos aparentes atrás dela e da sacada no último andar de onde o corpo caíra.”

Os dois parágrafos instigam o leitor a querer descobrir mais. Quem é Shadow? Porque ele foi preso? No segundo livro: Quem morreu? E como? São essas provocações que fazem o leitor continuar lendo o livro.

Além disso, é necessário trabalhar bem os seus personagens. Mesmo se a sua história se passar em um mundo mágico, é preciso que haja uma conexão entre o leitor e o livro, portanto o seu personagem precisa ser real e ter conflitos reais, onde muitas vezes isso acaba gerando uma conexão de afeto entre o leitor e o personagem.

Outro fato que torna a sua obra cativante é como você descreve as suas cenas, a habilidade de imergir o leitor naquele mundo de uma forma que ele consiga imaginar o que está acontecendo e fazer parte daquilo. Ele acaba gerando uma ansiedade e expectativa para saber o que irá acontecer depois.

Acredito que o mistério e os desafios devam estar sempre presentes no livro. É muito difícil encontrar alguém que se interesse em ler um livro, onde ele já saiba o que vai acontecer e como. Então, trabalhe bem os seus personagens e a sua história para ela não fique entediante, e sim sempre instigando o leitor a continuar lendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário